Você conhece Indiana Jones, protagonista de filmes como Os caçadores da arca perdida e O templo da perdição? Sucesso desde os anos 80, o personagem de Harrison Ford é um arqueólogo em busca de evitar que artefatos raros, como o cálice sagrado, caiam nas mãos de bandidos.

Aventuras e glamour hollywoodiano à parte, seguir carreira em Arqueologia pode ser bastante interessante. Lidar com todo tipo de informação deixada por populações que viveram há milhares de anos e entender como construíam sua sociedade é, no mínimo, impressionante.

Veja o que significa Arqueologia, como é o curso e onde ele é oferecido, o trabalho do arqueólogo e muito mais! Deixe fluir seu lado aventureiro e descubra se você tem vocação para a profissão!

Arqueologia: significado

Arkhê, uma palavra grega que significa princípio, fundamento, origem, dá nome ao estudo (logia) das coisas antigas: costumes e culturas de povos que viveram antes de nós. A Arqueologia faz uso de processos como coleta e escavação a fim de descobrir material de pesquisa fósseis, utensílios, monumentos ou qualquer outra “pista” dos povos antigos.

Curso de Arqueologia

O curso de Arqueologia é relativamente novo no Brasil. Até pouco tempo, ele era uma área da Antropologia ou da História, e só depois dos anos 2000 surgiu a primeira graduação específica.

O curso pertence à área de Ciências Humanas, de acordo com a Árvore do Conhecimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A formação tem um viés crítico-humanista, mas ao mesmo tempo é focada em Ciência e Tecnologia. A formação envolve matérias de Biologia, Sociologia, Geografia e História.

O profissional, depois de formado, está apto a elaborar projetos de pesquisa arqueológica, laudos e pareceres para empresas e governo, além de trabalhar em escritórios especializados em cuidar de impactos ambientais.

A duração do curso fica em torno de 7 a 8 semestres, dependendo da instituição.

arqueologia

Arqueologia: faculdade

Todos os cursos de graduação são de bacharelado na modalidade presencial. Não é possível, portanto, cursar Arqueologia a distância. Como dissemos, a oferta ainda é pouca e as faculdades de Arqueologia existentes são exatamente estas:

  • Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), em Porto Velho (RO);
  • Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC GOIÁS), em Goiânia (GO);
  • Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em Manaus, Manacapuru e Iranduba (AM);
  • Universidade do Estado da Bahia (UEBA), em Paulo Afonso (BA);
  • Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro (RJ);
  • Universidade Federal de Sergipe (UFS), em Laranjeiras (SE);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FURG), no campus Carreiros, em Rio Grande (RS);
  • Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina (PI);
  • Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em Pelotas (RS);
  • Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). em Santarém (PA);
  • Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife (PE);
  • Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES), em Santos (SP).

A UFOPA é a que abre mais vagas (100). Nas outras, a oferta anual é baixa: de 30 a 50 alunos no máximo por turma.

Na Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) é oferecido o curso de graduação em Arqueologia e Preservação Patrimonial, na cidade de São Raimundo Nonato (PI).

Nota de corte 

Para ingressar em uma universidade pública utilizando a nota do Sisu, o estudante precisa ter no Enem média de 640 pontos. A nota de corte mais alta é a da UFPE, 660 pontos, e a mais baixa é a da UFPI, 624 pontos.

A procura não é tão alta, por isso a concorrência não se equipara aos cursos de Medicina ou de Direito, os mais procurados no país. Na UERJ, para se ter uma ideia, foram 100 inscritos para 30 vagas no vestibular 2019 (3,33 candidatos por vaga). Na FURG, esse número é ainda menor: 2,35 (ambos em ampla concorrência).

Grade curricular

Como o Piauí é o estado brasileiro com maior concentração de sítios arqueológicos, a pesquisa nessa área é intensa. Logicamente, o curso de Arqueologia da UFPI é um dos melhores. Quer conhecer as disciplinas que o estudante encontra por lá? Veja:

  • Arqueobotânica;
  • Zooarqueologia;
  • Tópicos em Museologia;
  • Arqueologia em Ambiente Costeiro;
  • Arqueologia Subaquática;
  • Origem e Evolução Humana;
  • Teoria da Conservação;
  • Paleontologia;
  • Antropologia;
  • Geoarqueologia;
  • Geomorfologia;
  • Arte Rupestre;
  • História dos Índios no Brasil;
  • História da América Portuguesa;
  • Anatomia Humana;
  • Anatomia Animal;
  • Cartografia.

São várias as aulas de laboratório e pesquisas de campo, como:

  • Levantamento de Sítios Arqueológicos e Cultura Material;
  • Topografia;
  • Conservação de Arte Rupestre.
Eligis - teste vocacional e profissional

Especialização em Arqueologia

Há quem prefira se formar em outro curso, mais geral, e depois se especializar em Arqueologia. A pós-graduação lato sensu ajuda o profissional a se colocar no mercado de trabalho e traz oportunidades de ganhos maiores.

Conheça os cursos de especialização em Arqueologia creditados pelo MEC. Alguns podem ser cursados na modalidade EaD, mas a maioria é presencial. Veja:

  • Arqueologia;
  • Arqueologia Brasileira;
  • Arqueologia do Nordeste Brasileiro;
  • Arqueologia e Cultura;
  • Arqueologia e Educação Patrimonial;
  • Arqueologia e Patrimônio;
  • Arqueologia e Patrimônio Cultural;
  • Arqueologia, História e Sociedade;
  • Arqueologia Preventiva;
  • História, Arqueologia, Educação e Patrimônio Cultural;
  • História e Arqueologia do Antigo Oriente Próximo.

Mercado de trabalho

Depois de entendido o que é Arqueologia, é hora de saber o que faz, na prática, o arqueólogo e como está o mercado de trabalho. Primeiramente, há aproveitamento de pelos menos 80% dos egressos na área, seja em cargos públicos, seja em empresas privadas, e a maior parte das contratações ocorre no Ceará.

Antes mais restrito à Arqueologia Pré-histórica, o mercado se abriu para a Arqueologia Preventiva. Além dos estudos já citados, com escavações etc., o arqueólogo, hoje, trabalha com projetos ambientais e patrimônio histórico, de forma a preservar sua existência. Isso pode ser feito em museus, casas de cultura, órgãos públicos (Secretarias de Estado, por exemplo) e universidades.

Há também a possibilidade de se trabalhar com turismo histórico e cultural, e ainda em projetos de manutenção e preservação ambiental.

Arqueologia: salário 

Ninguém quer ficar apenas brincando de Indiana Jones, não é? Para se realizar na profissão, é preciso receber de forma justa pelo trabalho feito. Quer saber quanto ganha um arqueólogo?

Segundo o site Salário, esse profissional recebe, em média R$ 3.136,53. Os valores mais altos não chegam a R$ 8 mil para quem trabalha 44 horas semanais.

Gostou de conhecer o curso de Arqueologia? Sim ou com certeza? Certamente essa profissão requer curiosidade, capacidade de concentração e vontade de pesquisar e contribuir com a vida da sociedade.

Para ter certeza da escolha de seus curso, confira outros guias completos do blog da Orientu e tire suas dúvidas sobre mercado de trabalho e muito mais!

Campanha Always On Cronograma
Você pode gostar também