Quando se fala na rotina de um médico, inevitavelmente você pensa nele atuando em um consultório, um posto de saúde ou um hospital, não é verdade? Porém, engana-se quem acha que essas são as únicas opções para quem se forma na área.

No caso da Medicina Legal, por exemplo, tanto as atividades quanto o ambiente de trabalho são bem diferentes.

No entanto, se você está por fora de como é essa especialidade e quais as diferenças dela para outros segmentos da Medicina, não se preocupe. Neste post, você vai conhecer todos os detalhes dessa carreira e o que deve fazer caso queira atuar nela. Acompanhe!

Para começar, vamos esclarecer o que é Medicina Legal. Ela é um campo dentro da Medicina que, diferentemente dos demais, não foca na promoção da saúde. Ou seja, não realiza atendimento, acompanhamento ou mesmo tratamento clínico com os pacientes, como faz um pediatra, um ortopedista ou um dermatologista.

Isso acontece porque o médico formado nessa área trabalha com dois tipos de atividades. A primeira delas tem a ver com a realização de exames de corpo de delito no qual é possível comprovar intoxicações, agressões físicas ou sexuais e, inclusive, encontrar indícios de digital ou DNA do agressor.

A outra, por sua vez, está relacionada à inspeção e à análise de corpos de indivíduos que já faleceram, pois o objetivo é determinar a causa da morte deles (seja natural, seja provocada por terceiros) e quando ela ocorreu — apontando desde o dia até a hora.

Além disso, é comum que essa segunda atividade também envolva a verificação da identidade da pessoa (sexo, idade, raça etc.), já que nem sempre o cadáver está 100% preservado. Em alguns casos, por exemplo, só há uma parte dos restos mortais.

Esse processo que acabamos de descrever é chamado de autópsia. É uma atividade que leva tempo para ser concluída, exige extremo cuidado no manuseio do corpo humano e requer profundo conhecimento em anatomia, fisiologia, biologia e química.

Devido ao tipo de resultado que os médicos legistas podem alcançar depois de exames e autópsias, esse segmento acabou sendo incorporado pelos departamentos de polícia (civil, militar e federal) e, consequentemente, aperfeiçoado por eles ao longo dos séculos.

Afinal, o trabalho da Medicina Legal é utilizado frequentemente para inciar, dar prosseguimento ou concluir investigações que envolvem crimes contra a integridade física de alguém (com dano permanente ou não) ou que resultam em morte (intencional ou não).

Para completar, os laudos médicos ainda podem ser usados legalmente tanto por advogados de defesa (ou defensoria pública) quanto pela promotoria em julgamentos que buscam condenar os suspeitos de terem cometidos esses crimes.

Áreas de atuação

A Medicina Legal, assim como outros segmentos da Medicina, também conta com especializações secundárias nas quais você pode focar sua carreira, aperfeiçoando conhecimento teórico e técnico, e se tornar um profissional ainda mais gabaritado.

Alguns dos principais exemplos são a Traumatologia Forense e a Toxicologia Forense. Na primeira, você estuda e pesquisa não só os tipos de traumas que o corpo humano pode sofrer, mas também o que é capaz de causá-los e qual o nível de força/impacto é necessário para que isso aconteça.

Já na segunda, por outro lado, você se aprofunda nas classificações e distinções de produtos naturais e produzidos quimicamente em laboratório que podem intoxicar, paralisar, envenenar, asfixiar, provocar alucinações ou causar a falência múltipla de órgãos.

sala de autópsia medicina legal

Mercado de trabalho

O principal local de trabalho do médico legista é no Instituto Médico Legal de cada estado, o famoso IML. Nesse caso, ele se torna contratado do governo estadual ou da prefeitura municipal.

Porém, ele também tem a possibilidade de atuar em centros de perícia forense e criminalística das três categorias policiais já citadas.

A carreira do profissional

A carreira do médico legista só é possível apenas por meio de concurso público. Portanto, é preciso se qualificar academicamente e estar atento para ver quando o governo da sua região ou os departamentos policiais vão abrir novas vagas.

Em geral, o salário para concursados dessa área é alto. Tanto é que, em uma sondagem do portal Glassdoor, a faixa de ganhos identificada ficou ente R$ 9.000,00 e R$ 22.000,00.

Para estudar Medicina Legal não há nenhum grande mistério. Como você já deve imaginar, é preciso, antes de qualquer coisa, fazer o bacharelado em Medicina em uma instituição de ensino superior, como:

  • Universidade Federal do Piauí;
  • Universidade Federal do Cariri;
  • Universidade Federal do Acre;
  • Universidade Federal de São Carlos;
  • Universidade Federal do Mato Grosso do Sul;
  • Universidade Federal de Santa Catarina.
Eligis - teste vocacional e profissional

Ao terminar o curso, você faz uma residência, de três anos e em tempo integral, em Medicina Legal. Lembrando que ela funciona como uma especialização, ok?

A diferença é que ela tem foco total na vivência da profissão e no conhecimento técnico necessário para a autópsia de corpos em diferentes cenários — repassados por hospitais, em cenas de crimes, retirados de cemitérios etc.

É por isso que você pesquisa e pratica os procedimentos de perícia e de coleta (tanto sanguínea quanto de amostras biológica e química), de formulação do laudo de óbito, da identificação de lesões e traumas anatômicos e fisiológicos, da precisão na estimativa do momento da morte e por aí vai.

Isso sem falar, é claro, no estudo aprofundado — por meio de casos reais — do conceito de Medicina Legal aplicado ao Direito Penal. Ou seja, os aspectos técnicos do crime cometido e como eles se enquadram, representam ou até mesmo simulam propositalmente as diversas categoriais criminais existentes na justiça brasileira.

Como você leu, a Medicina Legal é uma área na contramão das demais especialidades da Medicina que buscam prolongar e melhorar a qualidade de vida das pessoas. No entanto, ela desempenha um papel fundamental na identificação e no esclarecimento dos óbitos.

Além disso, ela é indispensável para o bom trabalho dos órgãos policiais e para o andamento de processos e julgamentos em tribunais, pois serve como fonte de provas ou indícios de diversos crimes (como violência doméstica, agressão sexual, homicídio etc.).

Gostou do post, mas ainda não está totalmente decidido se a Medicina é a área certa para você? Então não perca tempo e faça o nosso teste vocacional para saber se você tem o perfil dessa graduação!

Você pode gostar também
medicina
Leia mais

Medicina: saiba tudo sobre o curso!

Está pensando em cursar Medicina, mas ainda não sabe muito sobre a graduação? Aprenda tudo sobre o assunto para poder tomar sua decisão!