Nos julgamentos criminais, muitos réus são absolvidos de determinados crimes ou cumprem penas em hospitais psiquiátricos e comunidades terapêuticas em razão de alguma doença mental. Ao longo da análise, atuam especialistas em psicologia forense.

Além desse aspecto, esses profissionais verificam outras vertentes sobre os fatos, sempre em busca da defesa do cidadão e das reais respostas que expliquem comportamentos inadequados. É o que trataremos neste post. Confira!

O que é Psicologia Forense?

Primeiramente, é preciso deixar claro que a psicologia forense é uma especialidade da Psicologia. Ou seja, o profissional precisa concluir a faculdade para depois fazer a pós-graduação na área.

Ao escolher esse segmento de estudo, o psicólogo atuará em tribunais do júri ou com a psicologia criminal.

Na prática, são análises que revelam as condições psíquicas dos réus, com base na perspectiva de defesa do cidadão, tendo como base possíveis transtornos psicológicos que possam afetar o comportamento social.

Dessa maneira, tendo como fundamentação o auxílio da ciência e o estudo de cada caso, é possível auxiliar nas decisões judiciárias impostas por advogados, promotores, defensores públicos, juízes etc.

Assim, podemos afirmar que a psicologia forense faz uma ligação com o Direito, avaliando os processos mentais tanto quanto os comportamentos das pessoas.

O objetivo dessa especialização é justamente traçar um histórico do réu, observando as causas e consequências dos atos praticados.

Busca, ainda, uma humanização ao longo dos processos judiciais, sempre com um olhar que ajude na definição de uma pena justa dentro dos limites da culpa.

Curso de Psicologia Forense

Sendo uma especialização, o curso de Psicologia Forense é uma pós-graduação regularizada no Brasil, podendo ser em diferentes segmentos, tais como:

  • investigação criminal;
  • neuropsicologia forense;
  • psicologia forense e jurídica;
  • psicologia forense;
  • entre outros.

Geralmente, são dois anos de aulas com encontros quinzenais, constituindo um investimento no crescimento profissional por meio de uma especialização baseada na Psiquiatria Forense, regularizada desde 2001, no Brasil.

A exigência é que o aluno seja graduado em Psicologia e tenha conhecimentos em setores do direito, como Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, Direito Penal etc.

Aio concluir a pós, o psicólogo se tornará um especialista na área, abrindo espaço para atuar em tribunais e, também, em instituições, como veremos a seguir.

Eligis - teste vocacional e profissional

Áreas de atuação na Psicologia Forense

Quem atua na psicologia forense tem um amplo leque de trabalhos em diferentes segmentos.

Um dos principais é na chamada psicologia do crime. Trata-se da ciência que faz a análise comportamental de jovens e adultos infratores.

O psicólogo avalia a intervenção, prevenção e as estratégias direcionadas em cada caso, sempre com foco no combate aos atos criminosos.

Além disso, são analisados transtornos de personalidade antissocial, com seus respectivos tratamentos que possam influenciar na redução da reincidência.

Avaliação forense

A avaliação forense acontece por meio de entrevista e observação, objetivando traçar os padrões de comportamento e responsabilidade do indivíduo no crime cometido.

Assim, advogados, defensores públicos, promotores e juízes recebem laudos que auxiliarão nas melhores decisões dos julgamentos.

psicologia forense

Sistema correcional e programas de prevenção

A psicologia forense também é muito utilizada em centros socioeducativos, presídios, programas de liberdade assistida, comunidades terapêuticas, centros de apoio a vítimas, clínicas etc.

Nesses locais, os psicólogos fazem o acompanhamento dos pacientes, estudando os comportamentos autodestrutivos, antissociais, enfim, buscam melhorias das atitudes que contribuíram para o deslize dos atendidos.

Psicologia aplicada à polícia

Inúmeros policiais sofrem problemas psicológicos, como estresse pós-traumático, depressão, síndrome de ansiedade e do pânico. É exatamente para destinar um atendimento à corporação que existe o psicólogo forense.

São realizados consultas e acompanhamentos, inclusive para prevenir casos mais graves, como suicídios.

Direito da família

O psicólogo forense tem um papel fundamental na condução de um processo de divórcio, por exemplo, estabelecendo se os pais estão devidamente capacitados para cuidar dos filhos.

Caso o laudo seja desfavorável, são solicitadas assistências ou custódia das crianças, além de determinar o regime de visitas. Situações de abuso sexual, físico e psicológico também são abordadas.

Direito do trabalho

Funcionários que apresentam incapacidade cognitiva precisam ser avaliados para retornarem à atividade ou, até mesmo, serem aposentados por invalidez.

Nesse campo, são aplicados testes de neuropsicologia forense. Além dos citados, a psicologia forense também tem papel preponderante no direito civil e penal.

Psicologia forense: salário

Definir um salário para quem atua com psicologia forense é muito difícil, pois há variáveis de acordo com a função exercida.

Um psicólogo concursado, por exemplo, pode ganhar mais de R$ 3.000, enquanto um profissional prestador de serviços não chega a um rendimento de R$ 2.500.

No entanto, a média salarial para um psicólogo forense em início de carreira é de R$ 2.300.

Vale ressaltar que as melhores carreiras estão no serviço público, para quem consegue ser aprovado em um concurso, como na Secretaria de Administração Penitenciária ou no Judiciário.

Mercado de trabalho

Diante de uma realidade em que os atos violentos aumentam consideravelmente a cada dia, o mercado de trabalho para quem quer especializar-se em psicologia forense é bem amplo.

Além disso, os problemas psicológicos que afligem a população também estão cada vez mais acentuados.

Como já enfatizamos ao longo deste post, há oportunidades nos tribunais, programas de reeducação de jovens, comunidades terapêuticas, reinserção de jovens infratores, centros de saúde mental etc.

Outro campo que tem mercado é na docência nas instituições de ensino, principalmente em faculdades. Nesse caso, além da pós-graduação, é importante que o profissional faça um mestrado.

Perfil do profissional

Psicólogos que queiram especializar-se em psicologia forense precisam gostar de direito e, também, da análise de comportamentos antissociais.

Devem ter visão analítica e profundo conhecimento do ser humano, dos sentimentos e dos testes que são aplicados para desvendar os sinais apresentados pelos movimentos corporais, assim como palavras ditas ou escritas.

É primordial que o profissional goste de pessoas e tenha um olhar otimista quanto à recuperação — claro que sempre respeitando as devidas particularidades.

Assim, a psicologia forense é um campo desafiador e que necessita de pessoas motivadas e extremamente dedicadas, sempre atuando em busca da melhora dos comportamentos humanos.

E você, já decidiu se vai fazer Psicologia ou ainda está no divã? Aproveite e faça o nosso teste vocacional!

Você pode gostar também