Para muitas pessoas que participam de processos de seleção das empresas, tratar dos defeitos para entrevista de emprego é um momento crítico e que as deixa inquietas e preocupadas. Afinal, cada vez mais, os recrutadores vão além dos aspectos acadêmicos e profissionais no currículo e querem saber como é o perfil psicossocial do candidato.

Ou seja, eles se interessam em saber como é o comportamento, o estado emocional, a postura diante de problemas e adversidades e a capacidade de socialização e integração dele. Isso porque todas essas características influenciam (e muito) no desempenho no trabalho, na relação com colegas e superiores e, principalmente, no potencial de crescimento do indivíduo dentro da empresa.

Por esse motivo, vamos tratar de alguns dos mais comuns defeitos para falar em entrevistas e como lidar com essa situação de maneira produtiva — ainda mais se você vai passar pela sua primeira seleção de emprego. Acompanhe!

Quais são os defeitos para entrevistas?

Para começar, listamos alguns dos defeitos citados com mais frequência pelos candidatos durante o período de recrutamento para vagas abertas. Você vai poder conferir quais são eles e, em especial, como cada um deles interfere no ambiente de trabalho. 

1. Nervosismo

O nervosismo é simples. Tem a ver com a mudança de humor e a facilidade para se irritar, ficar ansioso e estar estressado. Para quem precisa lidar com trabalho sob pressão, cumprir prazos curtos, tratar com clientes exigentes ou atuar em plantões, por exemplo, isso pode tornar-se um grande empecilho.

2. Timidez

A timidez, por sua vez, se refere às pessoas que são mais introspectivas e costumam ficar na delas.

No entanto, ao trabalhar em equipes grandes e com colegas bem-entrosados entre si, isso pode ser interpretado como pouco empenho em se integrar ao time, dificuldade em se relacionar com os outros e, até mesmo, antipatia.

3. Perfeccionismo

O perfeccionismo tem a ver com a vontade de cumprir toda e qualquer tarefa de maneira exemplar. A questão é que perfeccionistas, muitas vezes, se tornam controladores, querem assumir a frente das atividades e têm um comportamento que beira a obsessão com os detalhes.

Isso é algo que pode gerar conflitos com os colegas e estragar o clima do setor.

4. Dificuldade para lidar com críticas

A dificuldade para lidar com críticas trata da percepção equivocada de que as pessoas fazem comentários e dão feedbacks apenas com o objetivo de lhe deixar para baixo.

Um funcionário com esse defeito pode ter problemas para lidar com reclamações, apontamentos dos chefes, além dos retornos da equipe sobre a postura dele.

5. Impaciência

A impaciência é um defeito que pode prejudicar o bom relacionamento com os demais colegas de equipe, bem como pode afetar a realização de algumas tarefas no dia-a-dia.

Uma pessoa impaciente é aquela que não consegue esperar ou não consegue acompanhar o ritmo da empresa.

6. Necessidade de agradar a todos

A necessidade de agradar a todos está relacionado na forma como uma pessoa age diante da sua exposição e na realização de tarefas. Querer agradar todo mundo pode fazer com que você esqueça quem é de verdade para conseguir agradar mais pessoas.

7. Falta de flexibilidade

Já a falta de flexibilidade é quando um funcionário não consegue se adaptar facilmente às mudanças na sua área ou na empresa como um todo. Isso pode prejudicar as entregas e o relacionamento com os demais colaboradores.

Como mencionar os defeitos em uma entrevista de emprego?

Há pouco, nós mostramos alguns dos mais comuns defeitos para entrevista de emprego. Porém, você provavelmente está se perguntando como falar ou responder a respeito deles, sem deixar uma má impressão no recrutador?

É por isso que, a seguir, você confere algumas dicas sobre como abordar esses defeitos de forma sucinta, descomplicada e que evidenciam um processo de evolução pessoal. Veja!

Não minta sobre os defeitos que você tem

O recrutador do RH, ou mesmo o chefe do setor no qual você tem interesse de trabalhar, questionaram sobre quais são os seus defeitos e o que você pode comentar acerca deles? Pois aqui vai a primeira sugestão: não minta sobre a intensidade e quantidade deles, muito menos afirme que você está livre de defeitos.

Falar a verdade é sempre a melhor saída. Primeiramente, porque mostra que você está sendo honesto e tem maturidade para reconhecer tanto os pontos positivos quanto os negativos que tem — duas qualidades que são muito bem-vistas no meio pessoal e profissional.

Em segundo lugar, porque você não tenta enganar os entrevistadores com um discurso de perfeição. Basta lembrar-se de que os recrutadores, muitas vezes, já estão cansados de ouvir essa mesma conversa nas seleções e sabem que isso é uma tentativa de vender uma imagem positiva apenas para impressioná-los.

Evite focar a entrevista nos seus defeitos 

A segunda dica é evitar focar a entrevista nos seus defeitos e ignorar todo o resto (as suas qualidades, a sua trajetória profissional, a sua experiência na faculdade, o rumo que você quer dar à sua carreira, o porquê deseja trabalhar naquela companhia etc.).

Ou seja, após ser questionado a respeito, responda e argumente o que for necessário sobre o tema, mas saiba finalizá-lo e partir para outro assunto. Do contrário, os defeitos vão monopolizar a conversa, e você vai, mesmo sem ser a sua intenção, ser resumido a eles.

Use os seu defeitos para falar sobre o seu crescimento e aprendizado

Não é porque você vai falar sobre os seus defeitos que é preciso mencioná-los de uma forma negativa tanto para si quanto para as pessoas que estão ao seu redor. É fundamental saber abordá-los para mostrar que você está em constante aprendizado e que eles servem para você crescer e se aperfeiçoar cada dia mais.

Por exemplo, se você vai falar que um dos seus defeitos é a dificuldade em lidar com críticas, diga que, durante uma época, esse era um problema com o qual lidava e que levava a tentar ser o melhor em tudo para nunca ser criticado.

Porém, com o tempo, você entendeu que críticas nem sempre são, obrigatoriamente, ruins. Ao contrário, muitas são construtivas e nos ajudam a identificar coisas que estão erradas — e que, em muitos casos, você não se dá conta —, mas que podem ser ajustadas e melhoradas.

Resumindo: nem sempre é fácil ouvir esse feedback, mas você deve tentar sempre encará-lo como uma oportunidade para fazer uma autoavaliação e evoluir como ser humano e, consequentemente, profissional.

Consegue perceber a diferença de tratar o assunto dessa forma em vez de simplesmente dizer que não aceita críticas e pronto? A contextualização junto com uma explicação bem-elaborada na sua resposta faz toda a diferença.

Dica bônus: faça um teste vocacional!

Como mostrado, falar sobre defeitos para entrevista de emprego é uma questão que preocupa muita gente por conta do impacto que podem trazer para a avaliação que os recrutadores fazem durante o processo seletivo.

Porém, ao se preparar para falar sobre o assunto e, em especial, ao seguir as nossas dicas, você vai saber expressá-los de forma inteligente e, o principal: convertê-los ao seu favor!

E já que falamos sobre entrevista de emprego e o que fazer para tirar de letra essa etapa inicial da sua carreira, veja como um teste vocacional pode ajudá-lo não só a descobrir qual o curso adequado para o seu perfil, mas também se você está na profissão certa!

Se preferir, você também pode fazer o seu teste vocacional com a Orientu e ter mais confiança na hora de escolher o seu curso. Baixe agora no seu celular!

download android
download IOS

Você pode gostar também