Ofisioterapeuta, como você sabe, é quem cuida da funcionalidade do corpo humano. A prática dessa profissão envolve prevenir e restaurar problemas e lesões relacionados às funções cardiorrespiratórias e motoras e à neurologia, por exemplo.

Assim como ocorre com os médicos, quando se trata do cuidado pediátrico — de recém-nascidos, bebês e crianças —, é preciso que se tenha uma formação específica adicional. Afinal, a Fisioterapia Pediátrica, uma especialidade reconhecida em 2011 pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), requer tratamento diferenciado do que é dado aos adultos.

Se você pensa em trabalhar com crianças e recém-nascidos, ajudando-os no desenvolvimento físico e no tratamento dos mais diversos casos, prossiga com a leitura e descubra se a Fisioterapia Pediátrica deve constar entre suas opções de curso.

O que é Fisioterapia Pediátrica?

Na Fisioterapia, diferentemente da Medicina, não se faz uso de fármacos. Aliás, para que o paciente chegue ao melhor resultado, as duas práticas se complementam.

Se não faz uso de remédios, como é o tratamento fisioterápico? Bem, ele se dá por meio de técnicas que envolvem agentes físicos, como água, calor e eletricidade. Apoia-se, ainda, em massagens e exercícios para tratar de sequelas neurológicas a disfunções congênitas.

Também é dessa forma que se desenvolve a Fisioterapia Pediátrica, que atende desde recém-nascidos a crianças em torno dos 12 anos. Veja alguns dos casos em que um fisioterapeuta neonatal e pediátrico pode atuar:

  • problemas respiratórios;
  • síndrome de Down;
  • hidrocefalia;
  • câncer;
  • traumas;
  • queimaduras.

Em todas as situações, o que se espera é que o fisioterapeuta aja para ajudar a desenvolver e recuperar os movimentos e as habilidades motoras e cognitivas do paciente, lançando mão de terapias comprovadamente eficazes e sem descuidar da ludicidade e do universo infantis.

criança fisioterapia pediátrica

Fisioterapia Pediátrica: curso

Essa é uma opção de especialização para o fisioterapeuta formado, assim como Docência, Terapia Ocupacional, Ortopédica e Desportiva, Cardiorrespiratória e Dermatofuncional, entre tantas outras disponíveis para quem deseja seguir a carreira e obter cada vez mais reconhecimento e sucesso profissional.

É preciso que o estudante demonstre aptidão para lidar com crianças, que, geralmente têm mais dificuldade em permanecer em um leito de hospital. No caso de prematuros, os cuidados com a respiração, o estímulo muscular e a escolha do tratamento são fundamentais para a vida do pequeno.

O objetivo do curso de especialização com foco no atendimento à Pediatria é promover o bem-estar do paciente, cuidando para que ele restabeleça ou conquiste o maior nível possível de independência.

O futuro especialista tem acesso a um espectro amplo de técnicas e abordagens, além de metodologias inovadoras, tudo para identificar as necessidades de cada paciente e optar pelas terapias mais adequadas a cada caso.

Veja algumas das disciplinas ofertadas em Fisioterapia Pediátrica:

  • Anatomia e Fisiologia Neonatal e Pediátrica;
  • Fisioterapia Aplicada à Cardiologia Pediátrica;
  • Exames de Imagens e Laboratoriais;
  • Humanização;
  • Saúde Pública;
  • Oncologia e Queimaduras;
  • Cuidados Paliativos em Neopediatria;
  • Gestão e Rotinas de Fisioterapia na UTI Neonatal.

Fisioterapia Neurofuncional Pediátrica

Veja exemplos de cursos voltados para a área neurológica.

Fisioterapia Pediátrica e Neonatal: da UTI à Reabilitação Neurológica

  • Faculdade CEAFI — Brasília, DF; Goiânia, GO; e Palmas, TO;
  • Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC GOIÁS) — Goiânia, GO.

Fisioterapia Pediátrica Hospitalar

Estes são os cursos de especialização oferecidos por instituições de ensino credenciadas pelo MEC. A duração varia de 12 a 18 meses (360 horas é o mínimo, mas algumas chegam a oferecer 420 horas), com encontros semanais ou quinzenais, de acordo com a faculdade.

Fisioterapia Pediátrica

  • Faculdade Unyleya — curso oferecido a distância — Rio de Janeiro, RJ.

Fisioterapia em UTI Neonatal e Pediátrica

  • Centro Universitário Redentor — Fortaleza, CE; Itaperuna, RJ; e Recife, PE.

Fisioterapia Neonatal e Pediátrica

  • Universidade Estácio de Sá (UNESA) — Rio de Janeiro, RJ; e São Paulo, SP;
  • Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) — São Paulo, SP;
  • Centro Universitário FADERGS — Porto Alegre, RS;
  • Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) — São José do Rio Preto, SP;
  • Centro Universitário Saúde ABC (CUSABC) — Santo André, SP;
  • Faculdade de Tecnologia de Valença — Salvador (BA);
  • Centro Universitário Redentor — Recife, PE; e Salvador, BA;
  • Centro Universitário Social da Bahia (UNISBA) — Salvador, BA;
  • Faculdade Atualiza — Salvador, BA;
  • Instituto de Desenvolvimento Educacional — Salvador, BA;
  • Centro Universitário São Camilo — São Paulo, SP;
  • Instituto Albert Einstein — São Paulo, SP.

É bom lembrar que o pré-requisito para cursar uma dessas especializações é ter concluído a graduação, não necessariamente a de Fisioterapia. Não é comum, mas é possível que um enfermeiro ou um fonoaudiólogo queiram trilhar esse caminho. Por que não?

Ah, fique de olho nas bolsas e descontos disponibilizados pela faculdade, pois os custos costumam ser altos, e não há instituições públicas no Brasil onde o estudante possa se especializar em Fisioterapia Pediátrica.

Eligis - teste vocacional e profissional

A carreira do profissional

A carreira do fisioterapeuta é relativamente nova, pois a profissão só foi regulamentada no Brasil em 1969. Por isso, as especialidades ainda estão em desenvolvimento, como é o caso da Pediátrica e Neonatal.

Técnicas e protocolos de atendimento são criados e desenvolvidos a todo momento. Além disso, como em outras profissões, quem investe em formação continuada tem melhores chances de receber salários mais altos.

Quanto ganha um fisioterapeuta pediátrico?

Depois de concluída a etapa de graduação, você precisa escolher qual curso quer fazer para se especializar e não só aumentar os ganhos, mas construir autoridade no meio em que atua.

Para se ter uma noção, a média salarial do fisioterapeuta intensivista — aquele que trabalha em unidades de terapia intensiva (UTIs) — é R$ 2.198, segundo a Catho. Porém, quem é especialista em Neonatal recebe R$ 3.000. Ou seja, quase 30% de acréscimo no rendimento mensal!

Sem contar que há plantões hospitalares, consultas em clínicas, atendimentos domiciliares — o melhor é que uma forma de atuação não exclui a outra. O profissional da Pediatria pode atender durante a tarde em clínica e, à noite, fazer plantão em UTI, por exemplo.

Gostou de saber mais sobre essa especialização da área da saúde e tem a vontade de entender se, de fato, seria uma boa ideia investir na Fisioterapia Pediátrica como plano de carreira? A melhor forma de descobrir sua aptidão é por meio de um teste vocacional! Não perca tempo!

Campanha Always On Cronograma
Você pode gostar também