Com uma variedade tão extensa de campos profissionais, a Medicina acabou, ao longo do tempo, com algumas áreas se tornando mais conhecidas por toda sociedade, enquanto outras não eram tão difundidas e acessíveis nos sistemas de saúde. É o que aconteceu, por exemplo, com o trabalho desempenhado pelo endocrinologista.

Como resultado, muitos vestibulandos e até mesmo estudantes que já ingressaram na faculdade de Medicina ainda desconhecem esse segmento e não têm uma real dimensão de todas as possibilidades que o ramo proporciona por se prenderem apenas àquelas mais populares (neurologia, oncologia, dermatologia, cardiologia, pediatria etc.).

Portanto, para mudar esse cenário e apresentar a você uma carreira bastante promissora, preparamos este post especial. Confira e saiba o que faz esse profissional, qual a sua formação e como é o mercado de trabalho!

O que é endocrinologia?

A endocrinologia e metabologia é uma das 55 especialidades médicas estabelecidas pela resolução CFM nº 2221/18, mais precisamente, a 19ª. Esse campo se dedica ao atendimento, acompanhamento, rastreamento e tratamento de distúrbios que afetam o bom funcionamento hormonal e metabólico do corpo humano.

Ou seja, problemas de saúde que podem ocorrer por conta de má alimentação/nutrição, questões genéticas, enfermidades (especialmente as crônicas), envelhecimento e desregulação ou funcionamentos atípicos das glândulas endócrinas. Nesse processo, o endocrinologista desempenha um papel muito importante.

Afinal, além de propor a terapia medicamentosa certa para melhorar o quadro clínico do paciente e estabilizar o organismo dele, esse profissional é responsável por orientar e auxiliar o paciente quanto às mudanças de hábitos necessárias para uma melhor qualidade de vida e a redução de casos de comorbidade clínica.

Caso você não saiba, comorbidade é quando há o desenvolvimento de múltiplas doenças ao mesmo tempo que debilitam o bem-estar e a saúde do indivíduo, como diabetes, obesidade e hipertireoidismo.

Isso porque essas enfermidades podem ser justamente um indicativo de que há algum distúrbio já estabelecido no organismo do indivíduo ou em fase de desenvolvimento — o que permite, dependendo da mudança de hábitos e do acompanhamento médico, a possibilidade reversão total do problema.

Eligis - teste vocacional e profissional

Quando procurar por um endocrinologista?

A busca por um médico endocrinologista deve ocorrer quando a pessoa identificar mudanças bruscas no próprio peso, crescimento exagerado de pelos em regiões incomuns ou menos propensas do corpo, perda sem explicação racional da força muscular e quando há hipersensibilidade às mudanças de temperatura (seja para mais, seja para menos).

Além desses exemplos, a endocrinologia deve ser procurada quando há mudanças significativas em resultados de exames de sangue, especialmente aqueles que medem os níveis de glicemia, triglicerídeos, colesterol, creatinina etc.

Como se tornar um endocrinologista?

endocrinologista fazendo exame no pescoço do paciente

O processo para você se tornar um endocrinologista é dividido em duas etapas que, juntas, duram oito anos. A primeira delas envolve fazer uma faculdade de Medicina para obter o seu diploma de bacharel na área. Essa é a parte mais longa, responsável por 75% da duração total — o que não é à toa.

Afinal, antes de se aprofundar em uma especialidade médica é indispensável que você adquira um conhecimento amplo em anatomia, fisiopatologia e farmacologia, além, é claro, de uma experiência prática nos serviços gerais de saúde.

A segunda etapa, por sua vez, dura dois anos e pode ser realizada com uma residência médica ou um curso de especialização. Ao optar pela residência, você se candidata ao programa de alguma instituição de ensino superior credenciada na Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), como diz a lei nº 6.932/81.

A partir daí, você passa por uma bateria de atividades técnicas na área em uma ou mais unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa é uma formação com um viés bastante prático e que tem o intuito não só de potencializar o seu conhecimento das ciências médicas, mas de apresentá-lo às principais demandas in loco do serviço de saúde no Brasil.

Já ao preferir uma especialização, você conta com uma formação com maior carga teórica para estudar casos clínicos reais, classificações de patologias e tratamento terapêutico para síndromes, doenças crônicas e problemas oncológicos.

Porém, vale ressaltar que os estudantes também passam por atividades práticas em ambientes hospitalares.

Após finalizar sua pós-graduação, será preciso fazer a prova do Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia (TEEM) que é ofertada anualmente pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Onde estudar?

Se você tem interesse na especialização em Endocrinologia e Metabologia, saiba que pode encontrar essa formação tanto em universidades públicas quanto em faculdades particulares em várias regiões do país. Abaixo, você confere alguns desses locais:

  • Faculdade Global;
  • Faculdade UniCesumar;
  • Faculdade UniBF;
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro;
  • Universidade Federal de Minas Gerais;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul;
  • Universidade Federal do Paraná.

Vale comentar que muitas dessas instituições contam também com programas de especialização voltados para estudos em um ou mais subcampos da endocrinologia, o que contribui para uma qualificação ainda maior na área.

Como é o mercado de trabalho?

O endocrinologista pode atuar em diversos locais, o que inclui postos, unidades de pronto atendimento, clínicas e hospitais. Geralmente, o trabalho dele consiste no recebimento de encaminhamentos da atenção primária à saúde quando a triagem de clínicos gerais e clínicos médicos identificam a existência de problemas orgânicos específicos.

Ou seja, enfermidades que demandam um acompanhamento especializado e um tratamento terapêutico de médio a longo prazo por conta do quadro clínico apresentado.

A carreira do profissional desse segmento conta com uma ótima remuneração no mercado. Para se ter ideia, a jornada média de trabalho dele é 18 horas semanais e os ganhos ficam em volta de R$ 6.795,82, como destaca a sondagem do site Salário.

E então, ficou animado em saber o que faz um endocrinologista dentro do ramo da medicina? Pois agora cabe a você refletir sobre a profissão e aproveitar para conhecer o máximo possível das demais 54 especialidades médicas.

Assim, você entra na faculdade com um projeto de carreira mais definido e pode aproveitar melhor as atividades e os eventos acadêmicos para se aprofundar no segmento desejado.

Para dar uma força no processo de decisão sobre que área escolher, confira a nossa trilha de orientação profissional e saiba como definir o seu futuro no mercado da saúde!

Você pode gostar também