Sendo parte da área da saúde e que tendo uma formação em Ciências Biológicas, o terapeuta ocupacional tem um vasto campo para atuar no mercado de trabalho. É uma profissão importantíssima no processo de reabilitação de pacientes e que está presente não só no tratamento como também na prevenção, indo desde casos que atingem crianças até idosos.

Com o objetivo de ajudá-lo a conhecer melhor a realidade do terapeuta ocupacional, elaboramos este post com informações relevantes. Venha com a gente e conheça mais sobre esse universo!

O que é terapia ocupacional?

A terapia ocupacional é um ramo da área da saúde que visa a auxiliar os pacientes a terem condições adequadas para realizarem as atividades cotidianas após terem sofrido algum problema cognitivo, físico ou motor.

Além disso, o terapeuta ocupacional também auxilia na conquista da autonomia de pessoas que tiveram percalços ao longo da vida, como no caso de um dependente químico.

É uma profissão que necessita de curso superior e é regulada pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito). Fora o atendimento, o profissional realiza estudos de acordo com a situação de cada paciente.

Os atendimentos têm o objetivo de prevenir e tratar as diferentes alterações cognitivas, afetivas, perceptivas ou psicomotoras ocasionadas por problemas genéticos, traumas ou doenças adquiridas.

Dentro da medicina, terapia significa tratamento de alguma doença, e ocupacional, as habilidades necessárias para realização das atividades diárias. Ou seja, a terapia ocupacional é um meio de recuperação das habilidades.

O que faz um terapeuta ocupacional?

A rotina de um terapeuta ocupacional pode ser bem diversificada, pois esse profissional pode trabalhar em diversos locais, como hospitais, lares de idosos, clínicas de dependentes químicos, saúde coletiva, entre outros.

De maneira geral, o terapeuta ocupacional faz atendimentos individualizados ou em grupo, de acordo com as necessidades de cada paciente.

Imaginemos uma clínica de recuperação de dependentes químicos. O profissional desse segmento realizará atividades que ajudem no bem-estar e no melhor aproveitamento do tempo, como na elaboração de peças de artesanato, no estímulo à criatividade, sempre com um viés terapêutico.

Além do aspecto de saúde, o terapeuta ocupacional também atua nos aspectos sociais e educacionais. Uma criança com problemas de aprendizado, por exemplo, pode encontrar novos prazeres por meio do estímulo de ações direcionadas por ele.

Portanto, a profissão desenvolve atividades que auxiliam no melhoramento funcional dos pacientes, por meio de projetos terapêuticos, com resultados positivos na reabilitação.

Eligis - teste vocacional e profissional

Área de atuação do terapeuta ocupacional

Como já informado aqui, existem inúmeras áreas de atuação para essa profissão, tendo em vista que os atendimentos englobam pacientes de diferentes idades e também com situações adversas.

Sendo assim, vamos elencar, agora, alguns ramos de atividades que contemplam a rotina de um terapeuta ocupacional. Confira!

Educacional

Na área educacional, o profissional atende crianças e adolescentes com atraso no desenvolvimento psicomotor, estimulando as partes sensorial, neurológica e motora.

As atividades vão desde o brincar terapêutico, como desafios enigmáticos, até a prática de exercícios que abordam leitura, escrita e convivência com os números.

terapeuta ocupacional com criança

Reabilitação pós-trauma

Muita gente que sofre acidentes e perde membros do corpo, ou fica com os movimentos debilitados, pode contar com o auxílio de um terapeuta ocupacional.

Nesse sentido, as tarefas vão auxiliar na recuperação de atividades rotineiras, como se vestir, escovar os dentes, tomar banho, pagar contas etc.

Clínicas privadas

Quem sofre de doenças mentais, como a depressão, encontra na terapia ocupacional um estímulo à motivação e ao bem-estar.

Com atividades diversas, o profissional conduz o paciente a aumentar a autoestima, a autoconfiança e, principalmente, a independência. São fatores que auxiliam na retomada da vida, como em uma recolocação profissional.

Gerontologia

Inúmeros terapeutas ocupacionais atuam na reabilitação e reintegração social de idosos, seja em casas de repouso, seja por meio do atendimento individualizado.

Com o aumento na expectativa de vida da população, é cada vez mais necessária a abordagem, visando a melhorias consideráveis no bem-estar e na motivação.

Psiquiatria no setor público

O profissional pode atuar, também, em setores públicos, como em Centros de Assistência Psicossocial (Caps), com foco no atendimento de pacientes que tenham algum distúrbio mental.

Entre as doenças psiquiátricas, podemos citar síndrome do pânico, distúrbio de ansiedade e alcoolismo ou no atendimento de outros tipos de doenças. Nesse caso específico, os atendimentos podem ser individualizados ou em grupo.

Reabilitação social

É fundamental a presença de um terapeuta ocupacional em centros de recuperação de menores infratores, presídios, clínicas de dependentes químicos, visando à correta reintegração social.

Dessa forma, as reincidências de crimes diminuem consideravelmente, fazendo com que os pacientes conquistem autonomia e novas formas de ocupação do tempo.

Dia do terapeuta ocupacional

O dia do terapeuta ocupacional é comemorado em 19 de janeiro. A data faz referência à regulamentação do Decreto-Lei número 938, de 1969, que estabeleceu o Código de Ética.

De acordo com o documento aprovado pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, em seu artigo 26:

O terapeuta ocupacional, em sua prática, deve atuar em consonância com a política nacional de saúde, de assistência social, de educação e de cultura promovendo os preceitos da saúde coletiva, da participação social, da vida sócio-comunitária, no desempenho das suas funções, cargos e cidadania, independentemente de exercer a profissão no setor público ou privado.

Mercado de trabalho

Já houve muita desvalorização do trabalho do terapeuta ocupacional no passado, mas, atualmente, a profissão é devidamente reconhecida e louvada pela sociedade.

Diante do aumento nos casos de doenças mentais, principalmente distúrbios de ansiedade, depressão, alcoolismo, drogadição, entre outras, o mercado tem um campo aberto a esse profissional.

Isso porque a atuação pode ocorrer em locais diferenciados, como já apontamos ao longo do post. Ou seja, você poderá diversificar os atendimentos.

Afinal, existem muitos terapeutas ocupacionais que atendem em lares de idosos, clínicas de recuperação e consultórios simultaneamente, dividindo as atividades ao longo da semana.

Portanto, trata-se de uma profissão na área da saúde que tem boas possibilidades de empregabilidade. No quesito salarial, a média fica em torno de R$ 3.200 para uma carga horária de 30 horas semanais. Esse valor pode mudar de região para região.

Para se destacar no setor, é preciso gostar de pessoas, sempre se atualizar e ser paciente no quesito de saber ouvir. Eis alguns indicadores de quem tem vocação para ser um terapeuta ocupacional.

No mais, a profissão é desafiadora e traz inúmeras alegrias no convívio diário!

E aí, leu até aqui, mas não se identificou com essa carreira? Que tal fazer o nosso teste vocacional? Confira e desvende aspectos da sua personalidade para encontrar a profissão com a sua cara!

Campanha Always On Cronograma
Você pode gostar também