Ser um estudante de Medicina traz um desafio que o fará quebrar a cabeça por dias: conhecer as diversas especialidades da área e decidir, entre elas, qual seguir após a faculdade. Quer uma prova disso? Então responda a seguinte pergunta: o que faz um endocrinologistae o que esperar dessa profissão?

Caso não consiga e ainda esteja por fora do que, afinal de contas, é esse campo de atuação, pode respirar aliviado! Neste post, nós vamos apresentá-lo e pontuar como é o trabalho realizado nele. Preparado? Então siga com a leitura!

O que faz um endocrinologista

O endocrinologista é o médico do segmento de Endocrinologia e Metabolismo. Ele se dedica à avaliação, ao diagnóstico e ao tratamento de disfunções que alteram ou ainda pior: comprometem a regulação do sistema endócrino humano — que inclui, por exemplo, o pâncreas, a tireoide, a hipófise entre outros órgãos e glândulas.

Eles são essenciais para a saúde, o bem-estar mental, o condicionamento físico e até mesmo a vida sexual das pessoas, uma vez que esse sistema é o responsável pela nossa produção de hormônios.

Áreas de atuação do endocrinologista

O que um médico endocrinologista faz está diretamente relacionado com as áreas de atuação dentro desse segmento. Isso porque cada uma tem um propósito de promoção de saúde diferente, inclusive chegando, em alguns casos, a focar em uma parte específica do sistema endócrino. Abaixo, nós mostramos alguns exemplos:

  • doenças do desenvolvimento: voltada para o tratamento de enfermidades que prejudicam a evolução da puberdade e os efeitos naturais esperados dela (como mudanças corporais e orgânicas);
  • doenças do metabolismo: voltada para o monitoramento de quadros disfuncionais metabólicos que podem acarretar ou agravar a obesidade, a esteatose, o diabetes entre outras enfermidades;
  • andropausa e menopausa: voltada para o acompanhamento dos períodos transicionais que marcam essa fase da vida, a regulação hormonal em homens e mulheres e a investigação de quadros precoces ou tardios.
 o que faz um endocrinologista

Como se tornar um endocrinologista

Como você já deve ter percebido, a endocrinologia nada mais é do que uma especialidade médica. Portanto, não existe uma formação direta para essa área que já dê para cursar, por exemplo, após o ensino médio. Ao contrário, primeiramente, você deve se graduar em Medicina em uma instituição pública ou privada, como:

Esse processo é necessário porque a medicina é um campo de estudo, pesquisa e trabalho muito vasto. Logo, antes de assumir um segmento de atuação — que é algo que envolve muita responsabilidade e dedicação —, você precisa ter contato com todas as três esferas.

Além disso, como ela lida diretamente com a saúde e bem-estar do ser humano, é crucial que você adquira experiência prévia em todos os estágios de atendimento e assistência ao paciente, o que envolve estratégias, atividades e procedimentos de:

  • prevenção;
  • diagnóstico;
  • tratamento;
  • internação;
  • reabilitação;
  • resgate;
  • emergência e urgência;
  • cuidados paliativos;
  • intervenção cirúrgica;
  • posvenção.

Curso de Endocrinologia

Concluído os seis anos de faculdade de Medicina, você está apto a estudar e adquirir conhecimentos teóricos e práticos específicos da endocrinologia. No entanto, as coisas aqui funcionam um pouco diferente das demais áreas de formação que existem — e a gente explica o porquê!

Basicamente, você não se inscreve em um curso regular de pós-graduação, como uma especialização ou um MBA. No lugar, você se candidata a uma residência médica — que nesse ramo funciona como uma pós —, como estabelecido pelo decreto Nº 80281/77.

A partir daí você passa de um até mesmo cinco anos participando de um treinamento intensivo in loco. Ou seja, realizando funções da área de atuação que deseja em hospitais (sejam públicos, sejam privados) para aprimorar ao máximo suas competências médicas.

Além disso, há uma série de atividades curriculares promovidas ao longo dessa jornada que envolvem desde aulas expositivas até produção de pesquisa e material científico. Bem desafiador, não é mesmo?

Vale finalizar esse tópico pontuando um detalhe importante: ao todo, existem apenas cinco eixos de residência previstos pelo decreto que mencionamos. São eles:

  • Clínica Médica;
  • Pediatria; 
  • Cirurgia Geral;
  • Obstetrícia e Ginecologia;
  • Medicina Preventiva ou Social.

Logo, todas as especialidades médicas estão subdivididas dentro deles. No entanto, não ache que isso é apenas uma questão de categorização, viu? Na verdade, significa que para acessá-los é preciso, antes de tudo, passar por esses eixos centrais.

Isso acontece, por exemplo, com a formação do endócrino. A primeira etapa é a residência em Clínica Médica que tem duração de dois anos. Depois, a segunda etapa envolve concluir uma residência em Endocrinologia e Metabologia (que também tem a mesma duração da anterior).

Perfil do endocrinologista

Não basta só falar sobre o que faz um endocrinologista e metabologista. É preciso também se informar acerca do perfil desse profissional e o que esperam dele. Abaixo, nós reunimos os principais aspectos. Fique atento:

  • pontualidade: para não comprometer o atendimento aos pacientes e gerar uma sensação de descaso com a saúde deles;
  • atenção empática: para lidar com indivíduos que estão enfrentando problemas psicológicos, cognitivos, emocionais e sociais por conta de enfermidades ou disfunções de origem metabólica ou hormonal;
  • controle emocional: para não deixar que acontecimentos da vida íntima interfiram, se projetem ou mesmo se misturem com a sua vida profissional, prejudicando diretamente a qualidade do trabalho desempenhado;
  • comunicação assertiva: para orientar e esclarecer de forma prática e didática as dúvidas dos pacientes quanto a exames, tratamentos e eventuais intervenções contra o desenvolvimento de doenças;
  • flexibilidade: para trabalhar em diferentes espaços (como clínicas, hospitais e postos de saúde) e conseguir se adaptar às particularidades de cada local e às equipes multidisciplinares que atuam neles.

A partir de agora, você já sabe o que faz um endocrinologista e qual o percurso necessário para ter essa carreira. Portanto, fica a dica: invista no aprendizado dos conteúdos, nas atividades extracurriculares da faculdade e no networking acadêmico. Dessa forma, o seu sucesso na área acadêmica será garantido!

E caso ainda restem dúvidas se você deve ou não se tornar um médico, não pense duas vezes: conte com o nosso teste vocacional para ficar por dentro da sua compatibilidade com a formação em Medicina!

Você pode gostar também