Sendo uma especialidade da Medicina com grande demanda de pacientes no Brasil, a cardiologia trata as doenças que atingem o coração e o sistema sanguíneo. O médico cardiologista é o profissional responsável pela prevenção, por atendimentos clínicos, plantões, cirurgias e acompanhamentos pós-operatórios.

Quer conhecer mais sobre o dia a dia desse universo que salva inúmeras vidas? Então continue lendo este post!

O que faz um cardiologista?

O cardiologista tem uma rotina diversificada, de acordo com a área de atuação, tendo em vista que esse profissional não faz apenas cirurgias, mas atende na prevenção, nos cuidados clínicos, na reabilitação e no diagnóstico de doenças coronarianas.

Para isso, o profissional precisa formar-se em Medicina e depois fazer de dois a três anos de residência médica na área. Após essa fase, o médico escolhe qual segmento da cardiologia seguir.

Na rotina, o cardiologista faz:

  • atendimentos em consultórios;
  • analisa gráficos referentes à performance do coração dos pacientes;
  • verifica o nível de gordura no sangue e possíveis situações que possam influenciar em casos mais graves, como um infarto.

Para ajudar no diagnóstico, o cardiologista utiliza a tecnologia por meio de equipamentos e exames, como ressonância magnética, ecocardiografia, tomografia, entre outros.

Há, ainda, os cirurgiões, que realizam o trabalho mais minucioso da área, fazendo os ajustes necessários em válvulas, artérias, vasos sanguíneos, enfim, em tudo que está relacionado ao coração.

Inclusive, muitos acidentes vasculares cerebrais acabam culminando em ataques cardíacos, o que exige uma resposta rápida para amenizar as sequelas e salvar o paciente.

Além disso, o cardiologista faz a reabilitação de pessoas que sofreram algum mal no órgão, realizando o devido acompanhamento por meio de estimulações cardíacas.

cardiologista

O que é cardiologia?

A cardiologia é o estudo do coração, prática que acontece entre os seres humanos desde o Antigo Egito, por meio de registros em papiro sobre o sistema cardiocirculatório, datados há mais de 3.000 anos.

Os primeiros conhecimentos também tiveram registros na Grécia antiga e na Alexandria. No início, era um tema que abrangia a clínica médica e que se transformou em uma especialidade, a partir da década de 1920.

No Brasil, a primeira experiência na área aconteceu no Rio de Janeiro, na década de 1930, com a primeira tentativa de criação da Sociedade Brasileira de Cardiologia e Hematologia.

No entanto, a fundação só ocorreu em 1943, em São Paulo. De uma forma geral, a cardiologia pode ser dividida em preventiva e curativa.

A preventiva faz intervenções que ajudam a evitar que determinada situação se agrave, destinando qualidade de vida para quem é hipertenso ou que tem alguma outra doença do coração.

Já a curativa realiza o tratamento em busca da cura, como o próprio nome sugere. Ela acontece quando os sintomas já estão latentes e necessitam de intervenções mais sérias, como uma cirurgia ou, até mesmo, um transplante.

Área de atuação do cardiologista

Os problemas no coração atingem grande parte da população mundial em razão de maus hábitos e, também, de doenças congênitas e hereditárias.

Além disso, a vida agitada do mundo moderno contribui negativamente para danificar não só o coração, como também influencia na redução da circulação sanguínea, como no caso de pessoas sedentárias e que consomem muita gordura ou comidas industrializadas.

Assim, a cardiologia tem várias áreas de atuação, tais como:

  • transplante;
  • hipertensão arterial;
  • doenças coronarianas;
  • cardiopatia da mulher;
  • cardiopatia congênita;
  • miocardiopatias;
  • entre outras.

Dentro dessa realidade, o cardiologista atua em hospitais, clínicas, laboratórios, centros de pesquisa, postos de saúde, consultórios particulares e no auxílio a atletas de alto rendimento, principalmente na prevenção.

Quando procurar um cardiologista?

Mesmo que você nunca tenha tido um problema no coração ou no sistema vascular, sempre é importante procurar um cardiologista para a realização de um check-up.

Isso vale para crianças, jovens, adultos e idosos. Afinal, há muitos problemas que são silenciosos e necessitam de um diagnóstico precoce para a cura acontecer.

Se você é sedentário e decide praticar determinada atividade física, também é importante consultar com esse profissional, para evitar alguma situação que seja de risco para a saúde.

Mas há inúmeros fatores que necessitam de uma consulta, como idade avançada, estresse, crises de ansiedade, noites mal-dormidas, pessimismo, sedentarismo, depressão, cansaço sem motivo aparente, tabagismo, abuso do álcool etc.

Quanto ganha um cardiologista?

Profissionais que concluem Medicina são bem remunerados e não enfrentam desemprego. Pelo contrário, faltam médicos no Brasil, principalmente na rede pública.

Agora, saber ao certo quanto ganha um cardiologista é complicado, pois cada profissional tem experiências diferenciadas e também atendimentos diversificados.

Em média, um cardiologista recebe R$ 6.000 para uma jornada de 22 horas semanais, valor que sobe para R$ 7.660, quando atende 24 horas semanais.

No entanto, cirurgiões renomados chegam a ganhar mais de R$ 20 mil por mês. Há consultas que custam R$ 500, ou seja, muitos cardiologistas têm altos salários, ultrapassando a casa dos R$ 50 mil, como no caso dos diretores de hospitais.

Eligis - teste vocacional e profissional

Mercado de trabalho

A carreira de um cardiologista é promissora, pois os brasileiros sofrem imensamente em razão das doenças do coração ou vasculares. Para você ter uma ideia, morrem, por dia, no país, mais de 1100 pessoas com problemas cardiovasculares.

Muitos desses óbitos acontecem pelo fato de faltar profissionais, mesmo sendo uma das dez especialidades com maior número de médicos. O problema é que a rede pública é deficitária.

Portanto, há vários motivos para seguir carreira em Medicina, principalmente para ajudar as pessoas a terem mais qualidade de vida e ainda vencerem doenças que podem ser curadas antes que o pior aconteça, como no caso de um infarto.

Outro fator que explica o bom cenário do mercado de trabalho é que a população está vivendo mais e com qualidade, ou seja, sempre é necessário consultar com um cardiologista para manter a saúde em dia, principalmente no aspecto preventivo.

Também não podemos deixar de lado o crescimento da telemedicina por conta da necessidade de isolamento imposta pelo coronavírus, abrindo um novo cenário para a profissão.

Assim, ser cardiologista é um caminho bem positivo e repleto de oportunidades para quem quer se destacar no ramo médico.

E aí, ficou interessado na profissão, mas ainda não sabe se a Medicina é para você? Então confira tudo sobre como um teste vocacional pode te ajudar a decidir a sua carreira!

Você pode gostar também