Você já ouviu falar em Nefrologia? Pois bem, essa não é uma das áreas da Medicina mais populares, porém está entre as mais importantes ― já que cuida dos nossos rins, um órgão vital, sem o qual não poderíamos sobreviver. Para você ter uma ideia de como nossa vida depende dele, pelo menos uma pessoa por dia morre de insuficiência renal. Por isso, é preciso cuidar bastante dele! É aí que entra o precioso médico nefrologista.

Para você entender melhor o que é a Nefrologia, o que faz um nefrologista e como atuar profissionalmente, criamos este post explicando tudo! Continue conosco nesta leitura.

O que é Nefrologia?

A Nefrologia é uma especialidade da Medicina, responsável por prevenir, diagnosticar, tratar e acompanhar pacientes com doenças renais. Como você sabe, nós temos dois rins, que ficam localizados abaixo da caixa torácica, um de cada lado da espinha.

A função dos rins é remover resíduos e fluido extra contido no sangue. Os rins também removem o ácido produzido pelas células do corpo e mantêm um equilíbrio saudável de água, sais e minerais ― como sódio, cálcio, fósforo e potássio ― no sangue.

Sem esse equilíbrio, nosso corpo fica literalmente intoxicado, o que faz nervos, músculos e outros tecidos do corpo deixarem de funcionar normalmente e, até mesmo, entrarem em colapso ― isso pode levar, inclusive, à morte.

Rins saudáveis também produzem hormônios que ajudam a:

  • controlar sua pressão arterial;
  • produzir glóbulos vermelhos;
  • manter seus ossos fortes e saudáveis.

Por isso, a nefrologia se debruça sobre estudos do funcionamento normal dos rins, bem como de doenças que os afetam. Vale lembrar que os rins são um órgão muito sensível, por isso podem sofrer sobrecarga ou falência com o aparecimento de diabetes, doenças autoimunes ou pressão alta. 

Doenças do rim

As doenças que se enquadram na área da nefrologia incluem:

  • distúrbios glomerulares (que afetam os minúsculos sistemas de filtragem dos rins chamados de glomérulo);
  • anormalidades urinárias, como excreção excessiva de proteínas, açúcar, sangue, cilindros, cristais etc.
  • doenças tubulointersticiais que afetam os túbulos nos rins;
  • doenças vasculares renais que afetam as redes de vasos sanguíneos dentro dos rins;
  • insuficiência renal (súbita, aguda, de longo prazo ou crônica);
  • pedras nos rins e bexiga;
  • infecções renais;
  • cânceres dos rins, bexiga e uretra;
  • efeitos de doenças como diabetes e hipertensão nos rins;
  • desequilíbrios de ácidos e bases;
  • síndrome nefrótica e nefrite;
  • efeitos nocivos de drogas e toxinas nos rins;
  • diálise e suas complicações de longo prazo; 
  • doenças autoimunes, incluindo vasculite autoimune, lúpus etc.
  • doenças policísticas dos rins em que grandes cistos ou bolsas cheias de líquido são formadas dentro do rim, prejudicando suas funções;
  • hidronefrose (dilatação do rim causada pelo acúmulo de urina no órgão).

O que faz o Nefrologista?

Agora que você sabe o que faz um nefrologista, é importante aprender como isso acontece. Basicamente, esse profissional atua em três grandes frentes: diagnóstico, planos de tratamentos e diálise e transplantes. Dê uma olhada no que elas significam a seguir!

Diagnóstico

Um dos perigos da doença renal é que ela não apresenta sintomas até que esteja bem avançada, isso significa que um paciente está sofrendo alto risco e nem sabe. Em muitos casos, está ligada à hipertensão ou a hábitos prejudiciais, como baixo consumo de água, excesso de sal na alimentação, cigarro, álcool etc.

Acontece que nem sempre os clínicos gerais conseguem diagnosticar uma doença renal, porque os exames principais ― taxa de proteína no sangue e níveis de creatinina ― mudam muito por diversos fatores, por exemplo, a dieta do paciente ou o uso de medicamentos.

Então, os nefrologistas podem solicitar exames específicos e interpretá-los para confirmar ou rejeitar a hipótese de doença renal, além de, neste caso, determinar sua gravidade.

Nefrologista

Planos de tratamento

Uma das principais funções de um nefrologista é estabelecer um plano de cuidados para pacientes renais. Para isso, incorpora mudanças na dieta e no estilo de vida, bem como faz um controle rígido quanto ao uso de medicamentos que podem piorar as condições dos rins.

Então, os nefrologistas também devem coordenar os cuidados com os médicos que tratam de outras doenças, como hipertensão, diabetes ou anemia, que contribuem ou resultam de doenças renais.

Por fim, em casos de doenças crônicas dos rins, o nefrologista procura retardar o progresso dessas patologias, a fim de que o paciente consiga ter uma vida saudável o máximo possível.

Diálise e transplantes

Quando os rins ficam gravemente comprometidos, o nefrologista geralmente pede sessões de diálise, para limpar mecanicamente o sangue da mesma forma que os rins saudáveis fazem. Como última saída, muitos pacientes precisam de um transplante de rim para sobreviver. A cirurgia é realizada por um urologista, mas o nefrologista é responsável por gerenciar os cuidados do paciente antes e depois da cirurgia, para maximizar a probabilidade de um resultado bem-sucedido.

Como ser um nefrologista?

O caminho para se tornar um médico nefrologista é longo. São 10 anos entre entrar na faculdade de Medicina e receber o título de especialista. A trajetória é a seguinte:

  • cursar a faculdade de Medicina (duração de 6 anos);
  • fazer residência ou estágio em clínica médica (2 anos);
  • fazer residência ou estágio em Nefrologia (2 anos).

Terminado esse período de estudos, você ainda precisa passar por uma avaliação rigorosa para receber o título de nefrologista. No Brasil, a entidade responsável por conferir esse documento é a Sociedade Brasileira de Nefrologia (a SBN) em conjunto com a Associação Médica Brasileira (AMB).

Onde estudar Medicina

Medicina é um dos cursos mais concorridos do país, por isso alguns estudantes ficam anos tentando passar no vestibular. Então, você precisa acertar na escolha da sua faculdade, a começar por saber quais são as melhores instituições de ensino do país.

De acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF, 2019), as 10 melhores universidades públicas de Medicina são:

  1. USP (Universidade de São Paulo ― SP)
  2. UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas ― SP)
  3. UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais ― MG)
  4. UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo ― SP)
  5. UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul ― RS)
  6. UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro ― RJ)
  7. UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro ― RJ)
  8. UNESP (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ― PE)
  9. UFPE (Universidade Federal de Pernambuco ― PE)
  10. UFF (Universidade Federal Fluminense ― RJ)

Também, há faculdades particulares regionais que oferecem excelentes cursos de graduação em Medicina. Em comum, elas contam com uma infraestrutura moderna, que une tecnologia a um projeto pedagógico focado em experiências práticas e no protagonismo do aluno.

Além disso, essas instituições têm parcerias com hospitais e clínicas públicos e particulares de suas cidades, para aproximar seus alunos ao máximo do cotidiano de um profissional de Medicina. Algumas dessas instituições são:

Como é o mercado de trabalho para o nefrologista?

O mercado de trabalho para um médico nefrologista é aquecido. Isso porque não existem tantos profissionais com essa titulação. Para você ter uma ideia, a SBN contabiliza apenas 1.564 profissionais em todo o país. Então, há muito espaço para você atuar.

A carreira profissional em Nefrologia inclui trabalhar em locais como:

  • consultório particular (médico autônomo);
  • ambulatórios de nefrologia;
  • unidades de internação em nefrologia;
  • laboratórios de imagem;
  • nefro-pediatria (atuar com crianças);
  • unidades de terapia intensiva (UTI);
  • serviços de terapia renal substitutiva (hemodiálise e diálise peritoneal);
  • unidades de transplantes.

Gostou de saber o que faz um nefrologista? Se você se interessa por essa área, é preciso se preparar desde cedo. Então, fique conosco mais um pouco e conheça, neste outro post, tudo sobre o curso de Medicina!

Você pode gostar também